domingo, novembro 10, 2013

EASY RIDER (1969)

EASY RIDER
Um Filme de DENNIS HOPPER



Com Peter Fonda, Dennis Hopper, Jack Nicholson, Karen Black, Luana Anders, Toni Basil, Phil Spector, etc.

EUA / 94 min / COR / 16X9 (1.85:1)

Estreia em FRANÇA a 8/5/1969
(Festival de Cannes)
Estreia nos EUA a 14/7/1969


George: [Seeing his first marijuana cigarette.] 
Lord have mercy! Is that what that is?

Em 1969, um pequeno filme de motos mudou para sempre a maneira de a América se olhar a si própria. Chamou-se "Easy Rider". Realizado com um orçamento de cerca de 350 mil dólares, conseguiu um lucro espectacular de quase 20 milhões, só no continente norte-americano. Foi o primeiro filme independente a ser distribuido por uma grande companhia, a Columbia, e foi o filme que transformou Jack Nicholson numa estrela. Tinha na altura 33 anos, a mesma idade de Dennis Hopper (Peter Fonda é três anos mais novo). Todos os três se conheciam bem, tinham bons contactos em Hollywood e ambições em escrever, produzir e realizar filmes. Mas também se encontravam na base da escada do sucesso e sabiam que nenhum grande estúdio olharia duas vezes para o seu projecto. Assim, conseguiram uma pequena ajuda de um outro amigo e produtor independente, Bert Schneider, e começaram a filmar. Sem um argumento sólido, sem o recurso a grandes actores (o próprio Nicholson, que era um actor de segunda categoria na altura, não queria de início representar, preferia quedar-se pela produção do filme) ou a técnicos especializados (conseguiram apenas um óptimo fotógrafo, Laszlo Kovacs) e no meio de grandes confusões e discussões.


Mas as ideias estavam lá e os tempos também ajudaram. "Easy Rider" foi o filme certo no tempo certo, foi o filme de uma geração feito numa altura em que essa geração estava a chegar ao fim. Foi estreado em Maio de 69, no Festival de Cannes (Dennis Hopper ganharia o prémio de realização por uma primeira obra), um ano depois dos acontecimentos em França, dos tanques russos terem invadido Praga e dos assassinatos de Robert Kennedy e de Martin Luther King e a escassos três meses da realização do concerto de Woodstock. Richard Nixon estava na presidência e as baixas americanas na Guerra do Vietname ultrapassavam já as 30.000. Para a camada jovem da população mundial a política estabelecida, o establishment, era cada vez mais sinistro, e os movimentos de protesto e contra-cultura começavam a perder grande parte da sua força.


O filme é uma viagem pela América (de Los Angeles a New Orleans), onde os ideais de liberdade (ou a ilusão dela) são confrontados com um modo de pensar corrupto e conformista. O tom geral do filme é marcadamente cínico e marginal, reflectindo o colapso dos sonhos dos anos sessenta (Wyatt: «You know Billy... we blew it»). A excepção é a personagem de Nicholson, George Hanson, um bêbado crónico, mas alguém capaz de questionar a sociedade conformista onde se integra e, mais importante, saber lidar com ela e não se afastar, não ceder à fácil tentação da renúncia, como Billy e Wyatt acabam por fazer. Além disso, não tem preconceitos em descobrir novos modos de pensar ou de vivência (a cena de iniciação à marijuana é bem elucidativa). E talvez seja por isso mesmo que dos três seja aquele que deva ser eliminado, pelo maior perigo que representa para a continuidade do poder instituído.


Dennis Hopper afirmou ter querido realizado um western. Os nomes das personagens centrais, Wyatt e Billy, foram retirados directamente de dois mitos do Oeste Selvagem, Wyatt Earp e Billy the Kid, e os cavalos substituídos por duas Harley-Davidson na travessia do continente, em demanda do sonho americano (como rezava o cartaz de promoção: «A man went looking for America and couldn't find it anywhere»). Esta procura infrutífera e sem futuro, esta sensação de vazio e impotência, foi a causa principal do sucesso do filme junto à juventude da época que assim se viu reflectida nas suas esperanças e temores mais secretos. Daí à transformação de "Easy Rider" num genuíno filme de culto foi um pequeno passo. Mesmo quando reportado aos anos imediatos, ao início dos anos setenta. O desaparecimento dos Beatles e as mortes físicas de Hendrix, Janis e Morrison, prenunciavam novos ventos de mudança: «The dream is over», anunciava Lennon em "God" (1971). Não foi preciso muito tempo para que até a própria música começasse a mudar. O psicadelismo, tão exemplarmente interpretado no filme, passava rapidamente de moda e o disco-sound estava já ali, ao virar da esquina. Começava a idade do egoísmo e do salve-se quem puder, tão característico dos yuppies dos anos 80. A geração das flores tinha sido definitivamente enterrada.


CURIOSIDADES:

- O blusão do "Captain America" foi desenhado por Peter Fonda e feito por "duas velhinhas" em Los Angeles. Foi mais tarde vendido num leilão de beneficiência.

- A filha de Peter, Bridget Fonda aparece brevemente numa cena de multidão.

- A música do filme era para ser toda original e composta pelos Crosby Stills & Nash. Mas depois de assistirem a uma pré-visualização do filme com música retirada de vários discos já editados (da coleção particular de Fonda e de Hopper), desistiram por considerarem não conseguirem fazer melhor. Ainda assim, Stephen Stills escreveu a canção "Find the Cost of Freedom" a pedido de Dennis Hopper, destinada a ser usada na cena final (quando a câmara recua para o céu). Hopper acabou por não a usar (foi substituida por "Ballad of Easy Rider", escrita e interpretada por Roger McGuinn, líder dos Byrds) e a canção acabou por ser editada no lado B do single "Ohio", dos Crosby, Stills, Nash & Young.

- Na cena onde Jack Nicholson é iniciado na marijuana foi mesmo usada erva - o estado do actor não é fictício.



- Peter Fonda baseou o seu personagem na representação de John Wayne em "Flying Tigers" (1942).

- A cena final foi filmada já fora do prazo de rodagem, numa altura em que as duas motos tinham sido roubadas (foram encontradas meses depois, todas desmontadas)

- Alguns dos estranhos efeitos de luz usados na cena do cemitério como demonstrativos dos efeitos do LSD foram obtidos acidentalmente, devido a uma exposição prematura do filme.

- A inclusão da bandeira americana no blusão e na moto de Peter Fonda ocasionou que este fosse mandado parar diversas vezes pela polícia.

- Numa votação organizada pela revista "Tempo", em Lourenço Marques (onde assisti à estreia do filme), os leitores consideraram "Easy Rider" como o melhor filme de 1970, seguido por "Midnight Cowboy" e "Ma Nuit Chez Maud".

 LOBBY-CARDS:


THE ORIGINAL SOUNDTRACK:



"THE PUSHER"
Performed by Steppenwolf
Written by Hoyt Axton

"BORN TO BE WILD"
Performed by Steppenwolf
Written by Mars Bonfire

"I WASN'T BORN TO FOLLOW"
Performed by The Byrds
Written by Gerry Goffin & Carole King

"THE WEIGHT"
Performed by The Band
Written by Jaime Robbie Robertson

"IF YOU WANT TO BE A BIRD"
Performed by The Holy Modal Rounders
Written by Antonia Duren

"DON'T BOGART ME"
Performed by Fraternity of Man
Written by Elliott Ingber & Larry Wagner

"IF SIX WAS NINE"
Performed by The Jimi Hendrix Experience
Written by Jimi Hendrix

"LET'S TURKEY TROT"
Performed by Little Eva
Written by Gerry Goffin & Jack Keller

"KYRIE ELEISON"
Performed by The Electric Prunes
Written by David Axelrod

"FLASH, BAM, POW"
Performed by The Electric Flag, An American Music Band
Written by Mike Bloomfield

"IT'S ALRIGHT MA (I'M ONLY BLEEDING)"
Performed by Roger McGuinn
Written by Bob Dylan

"BALLAD OF EASY RIDER"
Performed by Roger McGuinn
Written by Roger McGuinn


2 comentários:

renatocinema disse...

Filme mágico....imperdível e obrigatório.

Meu pecado mortal e imperdoável.......ter assistido sua, teórica e pecaminosa continuação. Falha grave que cometi.

Rato disse...

"Continuação"?
Nunca ouvi falar!