domingo, junho 12, 2011

CITAÇÃO

«Quanto mais eu fico velho, tendo aprendido mais na vida, visto mais filmes, mais me encanto com os que contam boas histórias de forma simples – e mais enojado fico com os que contam histórias ruins de forma pretensamente “inteligente”, “intelectual”. Cada vez fica mais claro para mim que há, basicamente, dois tipos de filmes: os feitos para as pessoas, os seres humanos, e os feitos para agradar aos jurados de festival e aos que dizem gostar de “filmes de arte”.
São esses os dois tipos de filmes. Essa é a grande diferenciação. As demais diferenciações são menores, menos importantes: se são de grande orçamento ou pequeno orçamento, se são americanos ou filipinos ou argentinos ou coreanos ou iranianos ou brasileiros. Mesmo se são filmes bons ou filmes ruins é uma diferenciação menor.
A grande diferenciação é esta: há os filmes que contam uma história de forma simples, e há os filmes metidos a besta.»
Sérgio Vaz in “50 Anos de Filmes

5 comentários:

Enaldo disse...

É uma diferenciação interessante, mas muitos filmes "simples" não avançam em assuntos complicados que pedem reflexões complexas.

O Projeccionista disse...

Esta frase diz muito e não podia deixar de estar de acordo. Começo é a pensar que há cada vez menos filmes novos com uma boa história para contar.

Cumprimentos

Elisabete Cardoso disse...

LIKE

Não podia estar mais de acordo.

Álvaro Martins disse...

As coisas (que é como quem diz os filmes, neste caso) não são assim tão lineares. E fico-me por aqui :)

Billy Rider disse...

É evidente que não se pode generalizar. Há filmes "simples" que são uma nulidade e filmes mais "complexos" que são uma maravilha. Mas compreendo onde o autor destas linhas pretende chegar. Basta dar uma vista de olhos por muita coisa que se escreve para aí em jornais e revistas e mesmo em certos blogues. Há um grande número de escribas que quando vão assistir a um filme levam já os bolsos atafulhados de pedras, prontas a serem aremessadas em todas as direcções. Normalmente não possuem grande cultura cinematográfica e, pior, não amam o cinema, não têm aquele simples gosto de ver filmes. E depois armam-se em intelectuais e debitam sentenças pomposas e redutoras. E ai de quem se atreva a contrariá-los, são logo apelidados de idiotas e ignorantes.